top of page

Liberdade, Igualdade, Fraternidade


Do ponto de vista político, existe apenas um único princípio: a soberania do individuo sobre si mesmo. Essa soberania de cada indivíduo sobre si mesmo é chamada de LIBERDADE.

Onde duas ou várias dessas soberanias se associam, começa o Estado. Mas nesta associação não há abdicação. Cada soberania parte com uma certa porção de si mesma para formar o direito comum. Essa porção é a mesma para todos. Há igual contribuição de todos para a soberania conjunta.

Essa identidade de concessão que cada um faz a todos é a IGUALDADE. O direito comum nada mais é do que a proteção de todos, derramando seus raios sobre cada um.


Essa proteção de cada um por todos, é a FRATERNIDADE. A liberdade é o cume, a igualdade a base. Igualdade não é só vegetação em um mesmo nível, uma sociedade de grandes hastes de grama e carvalhos raquíticos, uma vizinhança de ciúmes, emasculando uns aos outros. É, civilmente, todas as aptidões tendo igual oportunidade; politicamente, todos os votos têm igual peso; religiosamente, todas as consciências tendo direitos iguais. A igualdade tem um instrumento: -instrução gratuita e obrigatória.


Devemos começar pelo direito ao alfabeto. A escola primária obrigatória para todos; a escola superior oferecida a todos. Tal é a lei. Da mesma escola para todos brota uma sociedade igual. Instrução! Claro! tudo vem da Luz, e tudo retorna a ela.


Devemos aprender os pensamentos das pessoas comuns se quisermos ser sábios e fazer um bom trabalho. Devemos olhar para os homens, não tanto pelo que a Fortuna lhes deu com seus velhos olhos cegos, mas pelos dons que a Natureza trouxe em seu colo e pelo uso que deles fez.


Professamos ser iguais em uma Igreja e na Loja: seremos iguais aos olhos de Deus quando Ele julgar a terra. Podemos muito bem sentar juntos na calçada aqui, em comunhão e conferência, pelos poucos e breves momentos que constituem a vida.


Um Governo Democrático sem dúvida tem seus defeitos, porque é feito e administrado por homens, e não pelos Deuses Sábios. Não pode ser conciso e preciso, como o despótico. Quando sua ira é despertada, ela desenvolve sua força latente, e o mais resistente dos rebeldes estremece. Mas sua regra doméstica habitual é tolerante, paciente e indecisa. Os homens são reunidos, primeiro para discordar e depois para concordar.


Afirmação, negação, discussão, solução: estes são os meios para alcançar a verdade. Freqüentemente, o inimigo estará nos portões antes que a tagarelice dos perturbadores seja abafada no coro de consentimento.


Na função do Legislativo, a deliberação muitas vezes derrota a decisão. A liberdade pode bancar o tolo como os tiranos. cobrindo o caminho certo através do caos da confusão. O ajuste de acertos e erros mútuos também é mais difícil nas democracias. Não vemos e estimamos a importância relativa dos objetos tão fácil e claramente do nível ou da terra ondulante como da elevação de um pico solitário, elevando- se acima da planície; pois cada um olha através de sua própria névoa.


A dependência abjeta dos constituintes também é muito comum. É uma coisa tão miserável quanto a dependência abjeta de um ministro ou do favorito de um Tirano. É raro encontrar um homem que possa falar a simples verdade que está nele, honesta e francamente, sem medo, favor ou afeto, seja para o Imperador ou para o Povo.


Além disso, em assembléias de homens, quase sempre falta fé uns nos outros, a menos que uma terrível pressão de calamidade ou perigo externo produza coesão.


Portanto, o poder construtivo de tais montagens é geralmente deficiente. Os principais triunfos dos dias modernos, na Europa, foram derrubar e obliterar; não em edificar. Mas revogação não é reforma. O tempo deve trazer consigo o Restaurador e o Reconstrutor.


A fala também é grosseiramente abusada nas repúblicas; e se o uso da fala é glorioso, seu abuso é o mais vil dos vícios.


A retórica, diz Platão, é a arte de governar as mentes dos homens. Mas nas democracias é muito comum esconder o pensamento em palavras, sobrepô-lo, balbuciar bobagens. O reflexo e o brilho das bolhas de água e sabão dos intelectuais são confundidos com as glórias do arco-íris do gênio.


As piritas sem valor são continuamente confundidas com ouro. Até o intelecto condescende com o malabarismo intelectual, equilibrando pensamentos como um malabarista equilibra malabares no queixo. Em todos os Congressos, temos o fluxo inesgotável de tagarelice e a clamorosa patifaria das facções em discussão, até que o divino poder da fala, esse privilégio do homem e grande dom de Deus, não seja melhor do que o guincho dos papagaios ou a mímica dos macacos. O mero falador, por mais fluente que seja, é estéril de ações no dia do julgamento e não produz edificação. Mas revogação não é reforma. O tempo deve trazer consigo o Restaurador e o Reconstrutor.


Há homens tão voláteis quanto as mulheres, e tão habilidosos em esgrima com a língua: prodígios de fala, avarentos em ações. Falar demais, assim como pensar demais, destrói o poder da ação. Na natureza humana, o pensamento só é aperfeiçoado pela ação. O silêncio é a mãe de ambos. O trompetista não é o mais bravo dos bravos.


O aço, e não o latão, ganha o dia. O grande realizador de grandes feitos é geralmente lento e desleixado no falar. Existem alguns homens nascidos e criados para trair. O patriotismo é seu ofício e seu capital é a fala. Mas nenhum espírito nobre pode pleitear como Paulo e ser falso consigo mesmo como Judas.


A impostura costuma reinar nas repúblicas; eles parecem estar sempre em minoria; seus tutores são autonomeados; e os injustos prosperam melhor do que os justos.


O déspota, como o rugido do leão noturno, abafa todo o clamor das línguas de uma só vez, e a fala, direito inato do homem livre, torna-se a bugiganga do escravizado.

É bem verdade que as repúblicas apenas ocasionalmente, e por assim dizer acidentalmente, escolhem seus mais sábios, ou mesmo os menos incapazes entre os incapazes, para governá-los e legislar por eles. Se o gênio, armado com aprendizado e conhecimento, agarrar as rédeas, o povo o reverenciará; se ele se oferecer apenas modestamente para o cargo, será golpeado no rosto, mesmo quando, nas dificuldades e nas agonias da calamidade , é indispensável à salvação do Estado. Coloque-o na pista com os vistosos e superficiais, os presunçosos, os ignorantes e insolentes, os trapaceiros e charlatães, e o resultado não será um momento duvidoso. Os veredictos do Legislativo e do Povo são como os veredictos dos júris, às vezes certos por acidente.


As funções e cargos (especialmente os públicos), é verdade, são derramados, como as chuvas do céu, sobre os justos e os injustos. Os áuguros romanos, que costumavam rir uns dos outros da simplicidade do vulgo, também se deliciavam com sua própria astúcia; mas nenhum Áuguro é necessário para desviar o povo. Eles facilmente enganam a si mesmos. Deixe uma república começar como pode, ela não estará fora de sua minoria antes que a imbecilidade seja promovida a altos cargos; e o fingimento superficial, fazendo-se notar, irá invadir todos os santuários. O partidarismo mais inescrupuloso prevalecerá, mesmo no que diz respeito aos fundos judiciais; e as nomeações mais injustas são feitas constantemente, embora cada promoção imprópria não apenas confira um favor imerecido, mas possa fazer cem rostos honestos arderem com a injustiça.


O país é esfaqueado no peito quando aqueles que são levados para os assentos reservados devem se esgueirar para a galeria escura. Cada selo de Honra, mal guardado, é roubado do Tesouro do Mérito.


No entanto, a entrada no serviço público e a promoção nele afetam tanto os direitos dos indivíduos quanto os da nação. A injustiça na concessão ou retenção de cargos deve ser tão intolerável nas comunidades democráticas que o menor traço dela deve ser como o cheiro da traição. Não é uma verdade universal que todos os cidadãos de caráter igual tenham o mesmo direito de bater à porta de todos os cargos públicos e exigir admissão. Quando qualquer homem se apresenta para o serviço, ele tem o direito de aspirar imediatamente ao corpo mais elevado, se puder mostrar sua aptidão para tal começo - desde que ele seja mais apto do que os demais que se oferecem para o mesmo posto.


A entrada no posto só pode ser feita com justiça pela porta do mérito. E sempre que alguém aspirar e alcançar tal posto elevado, especialmente se por meios injustos, vergonhosos e indecentes, e posteriormente for considerado um fracasso notável, ele deve ser imediatamente decapitado. Ele é o pior entre os inimigos públicos.


Quando um homem se revela suficientemente, todos os outros devem se orgulhar de lhe dar a devida precedência. Quando o poder de promoção é abusado nas grandes passagens da vida, seja pelo Povo, Legislativo ou Executivo, a decisão injusta recai imediatamente sobre o juiz. Isso não é apenas grosseiro, mas uma falta de visão intencional, que não pode descobrir o merecimento. Se alguém olhar com atenção, por muito tempo e honestamente, não deixará de discernir mérito, gênio e qualificação; e os olhos e a voz da imprensa e do público deve condenar e denunciar a injustiça onde quer que ela levante sua cabeça horrível.


"As ferramentas para os trabalhadores!" nenhum outro princípio salvará uma República da destruição, seja pela guerra civil ou pela podridão seca. Eles tendem a se deteriorar, fazemos tudo o que podemos para evitá-lo, como os corpos humanos. Se eles tentam a experiência de se governar pelo seu menor, eles deslizam para o abismo inevitável com velocidade dez vezes maior; e nunca houve uma República que não tenha seguido esse curso fatal.


Mas, por mais palpáveis e grosseiros que sejam os defeitos inerentes aos governos democráticos, e por mais fatais que sejam os resultados finais e inevitáveis, precisamos apenas dar uma olhada nos reinados de Tibério, Nero e Calígula, de Heliogábalo e Caracala, de Domiciano e Cômodo, para reconhecer que a diferença entre liberdade e despotismo é tão ampla quanto entre o Céu e o Inferno. A crueldade, baixeza e insanidade dos tiranos são incríveis. Que aquele que reclama dos humores inconstantes e da inconstância de um povo livre leia o personagem Domiciano de Plínio. Se o grande homem em uma república não pode ganhar cargos públicos sem cair nas artes baixas e na mendicância lamuriosa e no uso judicioso de mentiras furtivas, deixe-o permanecer aposentado e use a pena. Tácito e Juvenal não ocuparam cargos. Que a História e a Sátira punam o pretendente como crucificam o déspota. As vinganças do intelecto são terríveis e justas.


Que a Maçonaria use a pena e a imprensa no Estado livre contra o Demagogo, no Despotismo contra o Tirano. A história oferece exemplos e encorajamento. Toda a história, por quatro mil anos, repleta de direitos violados e sofrimentos do povo, cada período da história traz consigo o protesto que lhe é possível. Sob os Césares não houve insurreição, mas houve um Juvenal. O despertar da indignação substitui o Gracchi. Sob os Césares, há o exílio de Syne; há também o autor dos Anais. Como os Nero reinam sombriamente, eles devem ser retratados assim. Trabalhar apenas com o gravador seria pálido; nas ranhuras deve ser despejada uma prosa concentrada que morde.


Os déspotas são uma ajuda para os pensadores. A fala acorrentada é uma fala terrível. O escritor duplica e triplica seu estilo quando o silêncio é imposto por um mestre ao povo.

Há brota desse silêncio uma certa plenitude misteriosa, que filtra e congela em bronze nos pensamentos. A compressão na história produz concisão no historiador. A solidez granítica de alguma prosa célebre é apenas uma condensação produzida pelo Tirano.

A tirania restringe o escritor a encurtamentos de diâmetro que são aumentos de força.


O período ciceroniano, dificilmente suficiente em Verres, perderia sua vantagem em Calígula.


O Demagogo é o predecessor do Déspota. Um brota dos lombos do outro. Aquele que vilmente bajulará aqueles que têm um cargo a conceder, trairá como Iscariotes e provará ser um fracasso miserável e lamentável. Deixe o novo Junius açoitar tais homens como eles merecem, e a História os tornará imortais na infâmia, já que suas influências culminam na ruína. A República que emprega e honra o raso, o superficial, o vil, "que se agacha até as sobras de um ofício prometido" finalmente chora lágrimas de sangue por seu erro fatal. De tal loucura suprema, o fruto certo é a danação. Que a nobreza de todo grande coração, condensada em justiça e verdade, atinja tais criaturas como um raio! Se você não pode fazer mais nada, pode pelo menos condenar pelo seu voto e ostracizar pela denúncia.


É verdade que, como os czares são absolutos, eles têm o poder de selecionar o melhor para o serviço público. É verdade que o iniciante de uma dinastia geralmente o faz; e que quando as monarquias estão no auge, a pretensão e a superficialidade não florescem, prosperam e obtêm poder, como acontece nas repúblicas. Nem todos tagarelam no Parlamento de um Reino, como no Congresso de uma Democracia. Os incapazes não passam despercebidos lá, por toda as suas vidas.


Mas as dinastias decaem rapidamente e acabam. Por fim, eles diminuem até a imbecilidade; e os Membros do Congresso enfadonhos ou irreverentes são pelo menos os pares intelectuais da vasta maioria dos reis. O grande homem, o Júlio César, o Carlos Magno, Cromwell, Napoleão, reina de direito. Ele é o mais sábio e o mais forte.


Os incapazes e imbecis triunfam e são usurpadores; e o medo os torna cruéis.


Depois de Júlio vieram Caracala e Galba; depois de Carlos Magno, o lunático Carlos VI. Assim, a dinastia sarracena diminuiu; os Capetos, os Stuarts, os Bourbons; o último deles produzindo Bomba, o macaco de Domiciano.


 

O homem é cruel por natureza, como os tigres. O bárbaro, o instrumento do tirano e o fanático civilizado apreciam o sofrimento dos outros, assim como as crianças apreciam as contorções de moscas mutiladas. O Poder Absoluto, uma vez temeroso pela segurança de seu mandato, não pode deixar de ser cruel.

Quanto à habilidade, as dinastias invariavelmente deixam de possuir após algumas vidas. Eles se tornam meras farsas, governadas por ministros, favoritos ou cortesãs, como aqueles velhos reis etruscos, adormecidos por longas eras em seus mantos reais dourados, dissolvendo-se para sempre ao primeiro sopro do dia. Quem se queixa das deficiências da democracia pergunte-se se prefere um Du Barry ou um Pompadour, governando em nome de um Luís XV, um Calígula fazendo do seu cavalo um cônsul, um Domiciano, "esse monstro mais selvagem, que às vezes bebia o sangue de parentes, às vezes ocupando-se em massacrar os mais ilustres cidadãos diante de cujos portões o medo e o terror vigiavam; um tirano de aspecto assustador, orgulho em sua testa, fogo em seus olhos, constantemente buscando escuridão e segredo, e apenas emergindo de sua solidão para fazer solidão.

Afinal, num governo livre, as Leis e a Constituição estão acima dos Incapazes, os Tribunais corrigem sua legislação, e a posteridade é o Grande Inquérito que os julga.

O que é a exclusão de valor, intelecto e conhecimento do cargo público em comparação com os julgamentos perante Jeffries, torturas nas cavernas escuras da Inquisição, açougues Alva na Holanda, a Véspera de São Bartolomeu e as Vésperas Sicilianas?


 


Exerto do livro :


"Moral e Dogma do Rito Escoces Antigo e Aceito", de Alberto Pike

112 views0 comments

Recent Posts

See All
bottom of page