A Câmara de Reflexão


 

A Câmara de Reflexão é uma ferramenta preparatória incrível para o grau (de Aprendiz) de Maçonaria.


Sua história e existência remontam aos primórdios, infelizmente a maioria dos maçons (americanos) nunca ouviu falar dela.


O único lugar que você a verá na Maçonaria Americana, como um rito praticado e aceito é nas Ordens Templárias. No entanto, tradicionalmente era vista já no grau de Aprendiz Maçom.


O objetivo principal da Câmara é ajudar o candidato a se preparar para as cerimônias solenes que está prestes a realizar.


Hoje, a Câmara de Reflexão serviria como uma ferramenta ainda maior para garantir que essa cerimônia permaneça solene.


Isso poderia prevenir os membros que optam por zombar ou provocar o candidato sobre montar um bode ou outros clichês que são ditos.


Esta peça foi originalmente publicada na Transaction of Texas Lodge of Research, e mais tarde usada em meu livro, The True Masonic Experience (A verdadeira experiência maçônica).


No entanto, fui encorajado a publicá-lo como um único livreto para as lojas que desejam tê-lo prontamente disponível para seus membros. Espero que você goste de aprender sobre uma das práticas maçônicas mais incompreendidas de nossa história.


Roberto M. Sanchez, 32° K.C.C.H., K.Y.C.H.

Past Master, Grey Lodge No. 329 A.F. & A.M. – Texas

Past Master, St Albans Lodge No. 1455 A.F. & A.M. – Texas

Past Grão-Mestre, Gran Logia Estado de México


Originalmente publicado no relatório anual da Texas Lodge of Research em 2013. Em 2017, foi publicado de forma independente como um livreto e, no mesmo ano, tornou-se um capítulo da The True Masonic Experience


A Câmara de Reflexão: Uma Prática Maçônica Revitalizada e Incompreendida.


Copyright © 2013, 2017 por Roberto M. Sanchez


Imagem em destaque: Câmara de Reflexão Cortesia de Edolon House / The Joe and Jill Chronicles

 

A CÂMARA DE REFLEXÃO:

UMA PRÁTICA MAÇÔNICA REVITALIZADA E INCOMPREENDIDA


Embora os rituais de iniciação da Maçonaria sejam universais, com ligeira variação de acordo com a jurisdição da Grande Loja, a maioria das lojas americanas não incorpora uma das mais antigas tradições utilizadas para preparar candidatos através do uso da Câmara de Reflexão.


Antes de 2009, a maioria dos maçons nos Estados Unidos desconhecia o uso da Câmara de Reflexão como uma prática de preparação aceita para os graus.


A Câmara de Reflexão não era uma frase comum à cultura popular, ou mesmo para uma parte da Maçonaria Americana. No entanto, graças ao autor Dan Brown e seu thriller best-seller The Lost Symbol, tornou-se uma tendência crescente em muitas lojas maçônicas americanas.


Os maçons que são membros do Rito de York, mais especialmente do Comando (Templário), estão tacitamente familiarizados com a Câmara de Reflexão.


No entanto, mesmo esses graus fornecem explicação limitada em qualquer um dos rituais.


Em algum lugar na transição para uma sociedade americana moderna, a verdadeira intenção da Câmara de Reflexão desapareceu na névoa da antiguidade.


É o propósito deste autor explorar a história, o protocolo e as tradições da Câmara de Reflexão.


Ao viajar para várias Grandes jurisdições em vários países diferentes, descobri que a Câmara de Reflexão está muito viva onde tem sido praticada continuamente por anos.


A maioria dos irmãos que receberam suas iniciações na Europa, México, América Central e do Sul, Oriente Médio e África conhecerá a Câmara de Reflexão.


Por fim, a prática pode ser encontrada nos graus do Rito Escocês Antigo e Aceito, do Rito Francês, do Rito Brasileiro e outros ritos derivados dos listados.


Em The Lost Symbol, uma ficção de ação e mistério envolvendo os maçons, Dan Brown apresenta ao leitor uma das maiores ferramentas iniciáticas da Maçonaria – a Câmara de Reflexão:


O crânio estava em cima de uma mesa de madeira frágil posicionada contra a parede traseira da câmara.


Dois ossos de pernas humanas estavam ao lado do crânio, junto com uma coleção de outros itens que foram meticulosamente organizados na mesa de forma semelhante a um santuário – uma ampulheta antiga, um frasco de cristal, uma vela, dois pires com pó claro e uma folha de papel. .


Encostado na parede ao lado da escrivaninha estava a forma assustadora de uma foice comprida, sua lâmina curva tão familiar quanto a do ceifador... — Esta sala é maçônica?


Langdon assentiu com a cabeça calmamente: — Chama-se Câmara de Reflexão. Essas salas são projetadas como lugares frios e austeros nos quais um maçom pode refletir sobre sua própria mortalidade.


Ao meditar sobre a inevitabilidade da morte, um maçom ganha uma perspectiva valiosa sobre a natureza fugaz da vida.


Dan Brown continua pintando um quadro vívido do significado da Câmara de Reflexão e lista os itens encontrados em tal lugar.


Mas o que tudo isso significou para os maçons? Quantos maçons americanos poderiam realmente identificar o significado dos itens nesta 'sala secreta'? [1]


A Câmara de Reflexão não é uma nova inovação, mas uma tradição antiga mais antiga que a própria Arte.


Na Maçonaria, a Câmara de Reflexão foi originalmente encontrada nos ritos francês e escocês. Esta pequena sala, geralmente adjacente à loja, é a antecessora do que os maçons costumam chamar de 'ante-sala'.


O objetivo da Câmara de Reflexão é dar ao candidato a oportunidade de se preparar para sua iniciação na Fraternidade. Não é apenas para a preparação externa do candidato, para vestir as vestimentas exigidas, mas para a preparação mental interna do candidato.


O candidato é encorajado através da auto-reflexão a contemplar quais são seus motivos para ingressar na loja.


A Câmara de Reflexão é exatamente o que implica, uma sala silenciosa onde o candidato deve meditar antes de sua iniciação.


O isolamento nesta sala cavernosa é onde se experimenta uma metamorfose simbólica, o neófito emerge desta câmara simbolicamente transformado em uma nova pessoa.


Serve para separar o candidato de todas as coisas terrenas, sua família, seu trabalho, as superfluidades da vida cotidiana, e o faz considerar as noções de sua própria mortalidade.


A Câmara de Reflexão pretendia ser a primeira experiência do candidato na Maçonaria.


No entanto, é importante notar que a Câmara de Reflexão é uma ferramenta de preparação, e não faz parte do gráu em si. [2]


UM DIAGRAMA DE UMA CÂMARA DE REFLEXÃO

IMAGEM: WIKIMEDIA ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)



Existem pequenas variações no conteúdo localizado dentro de uma Câmara de Reflexão. Para o contexto deste trabalho, serão referenciados os itens mais comuns listados nos rituais do Rito Francês e do Rito Escocês Antigo e Aceito.


De acordo com Albert Pike, a Câmara de Reflexão “deveria ser um andar abaixo da sala da loja; e se possível, subterrâneo, sem janela.


O piso deve, em qualquer caso, ser de terra. Nas paredes deve haver breves frases de moralidade e máximas de filosofia austera, escritas como que com carvão.” A sala deveria estar completamente escura, e as paredes pintadas de preto ou feitas para parecer o interior de uma caverna.


No centro da sala é colocada uma pequena mesa de madeira, acompanhada de um banquinho ou cadeira de madeira desconfortável para o candidato se sentar.


Sobre a mesa os seguintes itens devem ser colocados de forma sombria: uma única vela acesa, um crânio humano e tíbias cruzadas (ossos da perna humana), uma ampulheta, um pequeno sino, um pão pequeno, uma bacia de água, recipientes de sal , enxofre e mercúrio, um espelho, papéis, uma pena e tinta.


Em algumas câmaras de reflexão, pode haver uma imagem ou representação de um galo em vez do mercúrio.


Por fim, a cifra alquímica V.:I.:T.:R.:I.:O.:L.:, e as palavras ‘Conhece-te a ti mesmo’ devem ser escritas em algum lugar na parede. [3]


Os emblemas e relíquias encontrados em uma Câmara de Reflexão têm um significado muito específico.


Antes de aprofundar esses símbolos, sigamos a jornada de um candidato à Câmara de Reflexão no dia de sua iniciação nessa tradição.


Primeiro, o candidato, vestido com trajes adequados da loja (terno escuro e gravata) é levado ao prédio da loja por seu padrinho.


Ele não deve se encontrar com nenhum outro maçom, exceto os necessários. O Secretário e o Mestre de Cerimônias (um oficial que em algumas jurisdições seria equivalente ao Primeiro Experto), ambos vestidos sem qualquer insígnia maçônica, encontram o candidato.


O Secretário recolhe as taxas necessárias e volta para a sala (de reuniões) da loja. O Mestre de Cerimônias fica com o candidato, enquanto o padrinho também entra na sala da loja.


O Mestre de Cerimônias então venda o candidato e o introduz na Câmara de Reflexão.


Ele apresenta ao candidato um pedaço de papel com perguntas que o candidato deve responder.


O Mestre de Cerimônias indica ao candidato que ele deve escrever no papel seu testamento moral e filosófico.


Ele então instrui o candidato que, quando ele terminar esta tarefa, ele deve tocar a campainha, ou dar três batidas (na porta) para reconhecer que ele está pronto para prosseguir com o resto da iniciação.


Também lhe é dito que, uma vez fechada a porta, deve retirar a venda (que o impede de ver). Nesse momento, o candidato vê a câmara e os objetos descritos anteriormente. [4]


A Câmara de Reflexão é um símbolo importante. Representa um estado uterino, onde o aspirante deve participar de seu renascimento como iniciado, para indicar que quando o candidato sai da câmara, sai da mesma forma que nasce um novo homem.


Assim, a câmara indica, ao mesmo tempo, um começo e um fim.


O fim da vida do candidato como profano e o início de uma nova vida como iniciado em busca de mais luz.


De acordo com Andrew Hammer, em seu livro Observando a Arte,


Antes mesmo de bater na porta da associação (ou Ofício), o iniciado era confrontado com a gravidade de sua escolha para se juntar, para que quaisquer dúvidas que pudesse ter tido pudessem ser sanadas.


Desta forma, ele poderia ser poupado de um compromisso que ele realmente não resolveu assumir, e a Loja poupou um homem que não suportaria nem mesmo a prova de confrontar a si mesmo, muito menos ter a resolução de melhorar o que havia confrontado.


Ele é colocado na escuridão e no isolamento porque essas duas coisas juntas diminuem a percepção do tempo e fazem com que um período de tempo relativamente curto pareça muito mais longo.


Assim, quando o iniciado chega à porta de uma Loja, deve mentalizar que ele está há muito na escuridão.


Este é o início da jornada de cada candidato ao embarcar no reino místico e dramático da Maçonaria.


É neste ponto que o candidato está no limiar da iniciação, onde ele pode retroceder.


No entanto, se ele optar por prosseguir, sua vida será transformada para sempre. Se o candidato não conseguir progredir no trabalho dos graus restantes, por suas experiências na câmara externa o forçará a refletir sobre sua razão de desejar se tornar um maçom e, como tal, por todas as suas ações na vida. [5]


UMA CÂMARA DE REFLEXÃO NO MÉXICO

IMAGEM LIGADA: COLEÇÃO PRIVADA DO AUTOR


O emblema mais incompreendido é o crânio (humano). Durante séculos, muitos não-maçons e algumas pessoas dentro da Fraternidade acreditavam que o crânio era um símbolo imoral e malicioso.


Representava uma natureza malévola e maligna, como veneno ou perigo.


Mas na Câmara de Reflexão, como no resto da Maçonaria, esse não é o caso. O crânio apareceu durante séculos em vários graus maçônicos, tábuas de delinear e aventais, como o avental dos Cavaleiros Templários do século XIX.


A caveira, juntamente com os ossos cruzados, é um símbolo de mortalidade e é usada para elaborar os outros símbolos presentes na câmara.


Seu 'propósito é servir como um lembrete da frase latina memento mori, 'lembre-se, você vai morrer'.


Serve como um lembrete de que nossa vida terrena não é eterna e seu tempo gasto nesta terra é limitado e deve ser gasto para melhorar a sociedade, você mesmo e sua espiritualidade.


A morte é eminente, e cada um de nós em um ponto ou outro deve enfrentar esse final final. [6]


AMPULHETA – THEATRUM ANATOMICUM / NOVIS FIGURIS AENEIS ILLUTRATUM, ET IN LUCEM EMISSUM OPERA ET SUMPTIBUS THEODORI DE BRY.

IMAGEM: WELLCOME COLLECTION ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)


A ampulheta é um emblema da vida humana e representa a passagem ou marcação do tempo.


Simboliza a futilidade de tentar parar ou desacelerar o tempo.


À medida que o candidato observa as areias caindo lentamente correndo pela ampulheta, também seu tempo se esgota lentamente até a morte.


A ampulheta elabora o pensamento solene da morte e lembra o candidato da natureza fugaz de sua mortalidade.


Junto ao crânio, a ampulheta alude à mortalidade e lembra o futuro Maçom de fazer bom uso de seu curto tempo na Terra. [7]


O pão e a água representam as necessidades básicas da vida e são emblemas humildes de sustento e simplicidade.


O pão, considerado uma das formas mais pobres de alimentação, lembra o candidato a viver sua vida de forma simples, simples e humilde.


A água é um dos quatro elementos essenciais aos mistérios antigos e também é um emblema de pureza ou limpeza.


Em algumas variações da Câmara de Reflexão, o candidato é obrigado a lavar as mãos como símbolo da pureza de suas intenções. [8]



UMA CÂMARA DE REFLEXÃO NO MÉXICO

IMAGEM: COLEÇÃO PRIVADA DO AUTOR


A vela acesa e o sino carecem de algum significado esotérico ligado aos outros emblemas, mas também são importantes.


O sino raramente é usado, pois ocupa espaço na pequena mesa usada na Câmara de Reflexão. Seu único propósito é informar ao Mestre de Cerimônias, ou ao Maçom responsável pelo candidato enquanto ele estiver na câmara, que o candidato está pronto para o grau.


O mais comum é o candidato bater três vezes na porta, o que recolocou o sino na conclusão de sua preparação mental.


A única vela acesa serve principalmente para fornecer ao candidato a iluminação adequada para que ele possa realizar a tarefa designada, seja escrever sua última vontade e testamento filosófico, perguntas ou pensamentos necessários, tudo dependendo da jurisdição maçônica ou rito maçônico praticado. [9]


Existem vários itens associados à alquimia na Câmara de Reflexão.


Para começar, o objetivo final de um alquimista era transformar um metal bruto e supérfluo em um metal próspero e valioso, como transformar chumbo em ouro.


Na Câmara de Reflexão, os elementos alquímicos estão ali para representar uma transformação diferente, a de transformar o peticionário em candidato.


Esses elementos alquímicos são sal, enxofre e mercúrio.


O sal alude a vários usos, mas no sentido alquímico alude à alma humana.


O sal é um conservante e lembra ao candidato que suas atividades na terra devem ser lembradas de maneira positiva mesmo após a morte.


O sal, em excesso, também pode estragar o alimento que se pretendia conservar e aconselha o candidato a moderar seus desejos e paixões. [10]


UM MONSTRO DE TRÊS CABEÇAS EM UM FRASCO ALQUÍMICO, REPRESENTANDO A COMPOSIÇÃO DA PEDRA FILÓSOFO ALQUÍMICA: SAL, ENXOFRE E MERCÚRIO. PINTURA EM AGUARELA

IMAGE: WELLCOME COLLECTION ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)


Enxofre refere-se ao corpo humano, pois algumas formas de enxofre são encontradas no cabelo e na pele. É também um lembrete consciente de que todas as provações passam.


Assim como o odor fétido do enxofre se dissipará com o tempo, assim também quaisquer provações e tribulações que o candidato possa encontrar. Serve como uma lição e lembra o candidato de fazer de todas as coisas uma experiência de aprendizado.


O acoplamento de sal e enxofre são equivalentes ao pavimento quadriculado (mosaico).


Representa a ambivalência e o equilíbrio entre luz e escuridão, verdade e erro, vida e morte, alma e corpo. [11]


DEIDADE DE MERCÚRIO DO COMPANHEIRO DO CIRURGIÃO.

IMAGE: WELLCOME COLLECTION ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)


Mercúrio pode aparecer na Câmara de Reflexão como o próprio elemento, ou pode ser representado simbolicamente como um galo adulto ou frango, pintado ou como uma estatueta de cerâmica.


O galo é um símbolo do deus grego Hermes, ou o deus romano Mercúrio, que canta ao amanhecer anunciando a chegada da luz.


Isso alude à vigilância e também corresponde à fé. Mercúrio é um símbolo do surgimento da escuridão da ignorância e do medo.


É também o presságio que prediz a provação e o teste espiritual.


Assim como precisamos de vigilância e perseverança para buscar a verdade e a luz, também devemos ter a coragem de reconhecê-la quando nossa posição social, ego e percepção dos outros a desafiam.


Mercúrio, sal e enxofre, juntos, aludem à composição do homem e de todas as substâncias.


Esses três elementos simbólicos derivam da alquimia, uma tradição que nos forneceu todos os símbolos que usamos hoje para descrever uma metamorfose, aludindo assim a uma lição que o candidato aprenderá no primeiro grau - circunscrever seus desejos e manter suas paixões em devidos limites. [12]


UMA CÂMARA DE REFLEXÃO NOS EUA

IMAGEM: COLEÇÃO PRIVADA DO AUTOR


A caneta e o papel são colocados na Câmara de Reflexão para que o candidato desempenhe sua tarefa designada de escrever conforme instruído.


Dependendo do Rito ou grau particular, pede-se ao candidato que componha um pequeno texto. Mais comum, no entanto, o candidato é encorajado a escrever razões para solicitar os graus, ou, em algumas lojas, sua última vontade e testamento moral e filosófico.


Uma vez que o candidato é confrontado com os pensamentos de sua própria mortalidade, ele é solicitado a escrever para onde todos os seus pertences e legados mundanos iriam em caso de final da sua existência.


Em algumas variações, especificamente nos graus avançados do Rito de York, há uma Bíblia sobre a mesa, e o candidato é solicitado a ler o versículo ou versículos associados ao grau.


No Rito Brasileiro, o candidato recebe mais uma tarefa além das já mencionadas. A ele são apresentados os Artigos I e II da Constituição da respectiva Jurisdição.


O candidato deve então assinar e declarar a solidariedade e agir de acordo com os princípios da Maçonaria. Em algumas lojas ao redor do mundo, onde a Câmara de Reflexão é usada, é costume convidar o iniciado de volta à Câmara de Reflexão em seu quinto aniversário de iniciação.


Ele então é presenteado com os mesmos emblemas que viu antes de sua iniciação, mas agora ele também é apresentado com sua última vontade e testamento filosófico e moral.


O objetivo deste exercício é que o iniciado reflita sobre sua iniciação e veja até onde ele chegou e se transformou ao longo dos anos.


Esta prática pode ser repetida em diferentes aniversários maçônicos. Ao todo, esta parte da Câmara de Reflexão permite ao candidato a chance de reconsiderar seu pedido de adesão.


Se seus motivos não são puros, se ele tem medo e não tem coragem de prosseguir, então ele pode não ser capaz de manter inviolados os segredos da Maçonaria. [13]

VITRIOL – SOME OF THE SYMBOLS USED IN THE MASONIC CHAMBER OF REFLECTION BY FIDDLERSMOUTH

IMAGEM: WIKIMEDIA ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)


A cifra alquímica V.:I.:T.:R.:I.:O.:L.: é um elemento importante em algumas versões da Câmara de Reflexão.


É um acrônimo para a frase latina Visita Interiora Terrae Rectificando Invenies Occultum Lapidem, que significa, 'Visite o interior da Terra, e ao (se) purificar (retificar a si mesmo), você encontrará a pedra oculta.'


Às vezes essa sigla aparece com a adição de U.:M.: no final, significando, Veram Medicinam, que significa o ‘verdadeiro remédio’.


Como mencionado anteriormente, o objetivo do alquimista era transformar metais básicos em ouro, e o acrônimo vitríolo era a receita que acabaria por produzir tal transformação.


No entanto, na Maçonaria, o termo VITRIOL é usado como uma ferramenta para lembrar o candidato de olhar para dentro de si mesmo.


Assim, usando seu tempo nesta câmara solene para refletir e examinar sua própria vida e, portanto, buscar maneiras de melhorar-se internamente.


Seu objetivo final é fazer com que o candidato alcance um senso de auto-realização, entendendo assim o outro ditado que deve ser escrito na câmara – Conhece-te a ti mesmo.


O candidato deve aceitar este conselho metaforicamente. O significado transmitido é que se deve buscar dentro de si mesmo, pois a verdade está escondida ali, e essa verdade é a solução real para os problemas da vida. [14]


O espelho é essencial para a Câmara de Reflexão, porque o objetivo desta parte do processo de iniciação é permitir que o candidato reflita.


Ele também deve refletir sobre sua própria mortalidade, as razões pelas quais escolheu ingressar no Ofício e contemplar sua própria compreensão de si mesmo.


De acordo com a palestra no Terceiro Grau, somos ensinados que Hiram Abiff dirigiu-se ao Santo dos Santos para refletir sobre o trabalho que havia realizado, para meditar e orar.


É na Câmara de Reflexão onde o candidato tem a chance de praticar os ensinamentos da Arte como eles se destinam, e imitar nosso antigo patrono.


Outro exemplo de reflexão e olhar para dentro de si mesmo é retratado no Rito Escocês Retificado.


Quando o candidato é trazido à luz no primeiro grau, e o embuste é removido, a primeira coisa que ele vê são os irmãos olhando para ele.


É neste momento que o Venerável Mestre lhe informa que:


“Nem sempre é diante de si mesmo que se encontram seus inimigos. Aquilo que deve ser mais temido está muitas vezes atrás de si mesmo. Inversão de marcha! (meia volta)'


É nesse momento que o candidato é novamente apresentado ao espelho e vê seu próprio reflexo.


É uma lição pela qual o candidato aprende que o inimigo geralmente está dentro de si mesmo.


Portanto, cada membro do Ofício deve conhecer e examinar a si mesmo para quebrar as partes ásperas e supérfluas de sua vida para viver a vida de um verdadeiro seguidor do Ofício.


Assim, a Câmara de Reflexão permite ao candidato a oportunidade de analisar e examinar verdadeiramente a si mesmo e os símbolos na sala ao seu redor. [15]


Os símbolos, elementos e lições dentro da Câmara de Reflexão são fornecidos com o propósito específico de permitir que o candidato medite, reflita e contemple.


Nenhum dos emblemas deve ser usado para assustar, ofuscar, provocar ou humilhar o candidato de qualquer forma.


O propósito da Câmara de Reflexão e seus elementos simbólicos destinam-se a ilustrar ao iniciado que a cerimônia de iniciação não deve ser tomada de ânimo leve. [16]


UMA CÂMARA DE REFLEXÃO NOS EUA

IMAGEM: COLEÇÃO PRIVADA DO AUTOR


Mas o que tudo isso significa para o maçom americano?


Para onde foi a Câmara de Reflexão e por que está experimentando um renascimento na Maçonaria Americana?


A mais antiga referência inglesa a uma Câmara de Reflexão parece estar em Jachin e Boaz, a exposição inglesa do ritual da Grande Loja dos Antigos, publicada em 1762.


Sua descrição lembra muito a da exposição francesa Les Secrets de Francs-Maçons, publicada em 1742.


Em Jachin e Boaz o processo da câmara de reflexão é explicado da seguinte forma:


Logo depois, o Mestre pergunta se o Cavalheiro proposto na última sessão da Loja está pronto para ser iniciado; e ao ser respondido no afirmativo, ele ordena aos Vigilantes que saiam e preparem a Pessoa, que geralmente está esperando em uma Sala a alguma distância da Sala, sozinho, sendo deixado lá pelo Amigo que o propôs.


Ele é conduzido a outra Sala, totalmente escura; e então perguntado se ele tem consciência de ter a Vocação necessária para ser recebido (em loja)?


Ao responder, sim, ele é perguntado sobre seu nome, sobrenome e profissão. Quando ele responde a essas perguntas, tudo o que ele tem sobre ele feito de metal é retirado, como fivelas, botões, anéis, caixas e até mesmo o dinheiro em seu bolso.


Então eles o fazem descobrir o joelho direito e colocar o pé esquerdo com o sapato em um chinelo; vendá-lo com um lenço (ou venda) e deixá-lo em suas Reflexões por cerca de meia hora.


A Câmara também é guardada por dentro e por fora, por alguns dos Irmãos, que empunharam Espadas em suas mãos, para afastar todos os estranhos, caso alguém ousasse se aproximar.


A Pessoa que propôs o Candidato fica na Sala com ele; mas eles não estão autorizados a fazer quaisquer perguntas, ou conversar entre si.


A ideia da Câmara de Reflexão, como parte da prática maçônica, também se espalhou pela Alemanha, Bélgica, Holanda e outros países europeus. Entre 1787 e 1801, Friedrich Ludwig Schröder trabalhou em uma revisão do ritual alemão baseado em Jachin e Boaz intitulado Schroedersches Lehrlingritual.


Foi aceito e trabalhado em várias lojas alemãs, embora outras versões do ritual continuassem a ser praticadas. [17]


FRIEDRICH LUDWIG SCHRÖDER (1744-1816)

IMAGEM: WIKIMEDIA ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)


No início de 1800, a Câmara de Reflexão estava sendo usada e praticada em várias lojas do Ofício nos Estados Unidos.


Em 1814, a Câmara de Reflexão entrou nos rituais do Grande Acampamento de Nova York e, em 1816, no Grande Acampamento Geral em sua formação.


A Câmara de Reflexão era um costume maçônico bem compreendido e bem praticado nos Estados Unidos nesta época de sua história.


Alguns maçons tinham até pequenas câmaras de reflexão em suas casas, enquanto outros costumavam revisitar a que usavam durante sua iniciação na Arte.


Tudo isso começou a mudar em 1826, ano em que ocorreu o incidente mais notório da América envolvendo os maçons – o Caso Morgan. [18]


WILLIAM MORGAN – DE A. COOLEY – O GRAND LODGE DE BRITISH COLUMBIA E YUKON: WILLIAM MORGAN – DE A. COOLEY – O GRAND LODGE DE BRITISH COLUMBIA E YUKON: WILLIAM MORGAN NOTAS

IMAGEM: WIKIMEDIA ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)


Capitão William Morgan, um maçom descontente, anunciou planos para publicar os rituais da Maçonaria.


Embora uma série de outras exposições rituais tenham sido publicadas nos Estados Unidos durante o século anterior, os maçons ficaram indignados com o fato de seus segredos serem divulgados à comunidade.


Em 11 de setembro de 1826, William Morgan foi preso e encarcerado por uma dívida pendente. No dia seguinte, quatro maçons pagaram a dívida, tiraram Morgan da prisão e o escoltaram até uma carruagem.


Ele foi expulso e nunca mais foi visto. Este evento alimentou a indignação entre os anti-maçons nos Estados Unidos e deu origem ao movimento político anti-maçônico.


Por causa do movimento anti-maçônico, a Maçonaria foi forçada a se adaptar e mudar. As leis de várias grandes jurisdições foram alteradas, e o antigo costume de ter que ser convidado ou “convidado” para ingressar na Maçonaria foi alterado para sempre.


Várias centenas de lojas nos Estados Unidos fecharam suas portas. Nova York passou de 480 lojas em 1826 para 75 em 1835; Massachusetts caiu de 180 Lojas para 56, e a Grande Loja de Vermont deixou completamente de existir.


A Maçonaria experimentou uma transformação de uma fraternidade muito exclusiva e esotérica, para uma fraternidade aberta e transparente.


As tradições mais esotéricas se retiraram da loja de artesanato para os altos corpos eletivos, enquanto os ritos e tradições dos rituais da loja de Ofício (simbólicas) foram diluídos ou completamente abandonados, como o da Câmara de Reflexão. [19]


De acordo com os pesquisadores e autores maçônicos S. Brent Morris e Arturo de Hoyos em seu livro Committed to the Flames, em 1826, após o Caso Morgan, Robert Benjamin Folger encheu um livro com os rituais artesanais cifrados de um Rito Maçônico secreto.


Esses rituais eram o do Rito Escocês Retificado, também conhecido como os Cavaleiros Benfeitores da Cidade Santa ou CBCS.


Esta ordem era bem conhecida em toda a Europa, mas completamente desconhecida nos Estados Unidos na época.


A Câmara de Reflexão ressuscitou nos Estados Unidos em rituais como o Rito Escocês Retificado, mas nunca retornou às principais lojas de artesanato até o final do século XX. [20]


A Maçonaria foi forçada a se adaptar e mudar para sobreviver, como a criação de organizações fraternais maçônicas como o Santuário e a Gruta, para as orientadas para a família, como a Ordem DeMolay e as Rainbow Girls (Garotas do Arco Íris).


Com base nas informações apresentadas neste artigo, as câmaras de reflexão estão ganhando popularidade novamente porque os maçons mais jovens que estão ingressando nas lojas hoje estão muito interessados ​​nos antigos mistérios das Ordens Maçônicas e em suas antigas tradições.


Organizações como a Fundação de Restauração Maçônica foram criadas com o propósito de restaurar algumas dessas tradições maçônicas outrora esquecidas, ao mesmo tempo em que regulam os costumes para que não sejam feitos incorretamente.


Várias grandes lojas adotaram vários desses costumes e tradições para regulá-los.


Em uma decisão do Grão-Mestre emitida em 23 de janeiro de 2013, o Grão-Mestre do Colorado aprovou as práticas e observâncias maçônicas das câmaras de reflexão, procissões de oficiais e cadeias de união. [21]


DECISÃO DOS GRÃOS MESTRES DO COLORADO SOBRE CÂMARAS DE REFLEXÃO

IMAGEM: COLEÇÃO PRIVADA DE AUTORES


Nos últimos anos, vários artigos foram escritos sobre a Câmara de Reflexão sem nenhuma pesquisa real por trás deles.


Existem várias lojas usando câmaras de reflexão com o objetivo de assustar o candidato, ou fazê-lo porque é uma 'coisa legal de se fazer'. (Legal no sentido de ser interessante ou curiosa)


Se os membros de uma loja não sabem o que V.:I.:T.:R.:I.:O.:L.: significa ou representa, e eles não sabem como explicar ao novo iniciado, então essa loja não deve estar usando uma Câmara de Reflexão.


Esta importante ferramenta preparatória não deve ser usada porque é legal.


Em vez disso, deve ser usado porque ajuda o candidato a se preparar mentalmente para o grau, é uma antiga tradição do Ofício e é a coisa correta a fazer.


Mais importante ainda, cada loja deve praticar e seguir as constituições, resoluções e éditos da grande loja sob cuja jurisdição foi constituída.


Nas Leis da Grande Loja do Texas, A.F. & A.M. (Maçons Antigos, Livres & Aceitos), afirma-se que apenas o ritual aprovado pela Grande Loja do Texas pode ser usado em suas salas de loja e ante-salas que se abrem diretamente para as salas da loja.


No entanto, não encontro nenhuma menção em nossa lei da grande loja sobre ou restringindo câmaras de reflexão, ou itens que possam decorar, ser armazenados ou estar presentes na sala de preparação.


Além disso, não há diretrizes sobre como o candidato deve ser preparado antes do início do gráu. [22]


Há um grande significado na Câmara de Reflexão.


Um maçom pode meditar tranquilamente sobre os significados individuais do conteúdo da câmara, enquanto reflete sobre seu propósito de se unir e se tornar um homem melhor.


Mais importante, ele remove o candidato do resto dos membros, que podem provocar o candidato e aconselhá-lo a tomar cuidado com o bode.


Ao longo de minhas viagens em várias jurisdições maçônicas ao redor do mundo, reconheci a grande importância dessa tradição, que tem sido usada há séculos na Maçonaria mundial.


A Câmara de Reflexão deve ser usada antes de cada um dos três graus.


Todo maçom praticante deve propor à sua respectiva grande loja a restauração da tradicional Câmara de Reflexão.


Este é um costume importante que deve ser restaurado em cada loja, permitindo assim que o candidato participe de uma Verdadeira Experiência Maçônica.

 

Notas de rodapé


[1] Dan Brown, The Lost Symbol (New York: Doubleday, 2009), 149-160.


[2] Daniel Beresniak, Symbols of Freemasonry (London: Assouline, 2000), 22-25; Allen Roberts, The Craft and Its Symbols (Richmond: Macoy), 13; ‘Initiation,’ Coil’s Masonic Encyclopedia (Richmond: Macoy, 1995)327.


[3] Albert Pike, The Porch and the Middle Chamber (Kessinger Publishing), 5-13; Christopher Hodapp, Deciphering the Lost Symbol (Berkley: Ulysses press, 2010), 72-73.


[4] Giordano Gamberini, Codice Massonico Delle Logge Riunite E Rettificate Di Francia (Foggia: Bastogi, 1778), 16-51; Daniel Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons (Paris: Assouline, 1997), 24-30.


[5] Cliff Porter, The Secret Psychology of Freemasonry (Colorado Springs: Starr Publishing, 2011), 128-170; Andrew Hammer, Observing the Craft ( Mindhive Books, 2010), 101-102.


[6] ‘Skull and Crossbones,’ Coil’s Masonic Encyclopedia (Richmond: Macoy, 1995),623; Hodapp, Deciphering,, 52-53,72-73; Porter, Secret Psychology, 128-170; Mark O’Connell, and Raje Airey, The Complete Encyclopedia of Signs & Symbols (Hermes House), 159; Hammer, Observing the Craft, 100-110.


[7] ‘Hourglass,’ Coil’s Masonic Encyclopedia (Richmond: Macoy, 1995), 623; Hodapp, Deciphering,,72-73; Porter, Secret Psychology, 128-170; Monitor of the Lodge, Grand Lodge of Texas, A.F. & A.M. (Waco, TX: Waco Printing Co., 2010), 85; Hammer, Observing the Craft, 100-110; O’Connell and Airey, Signs & Symbols,159, 229 .


[8] ‘Communion,’ Coil’s Masonic Encyclopedia (Richmond: Macoy, 1995), 143; Hodapp, Deciphering,,72-73; Porter, Secret Psychology, 128-170; Hammer, Observing the Craft, 100-110.


[9] Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25.


[10] Lewis Spence, The Encyclopedia of the Occult (London: Bracken Books, 1988), 9-13; Hammer, Observing the Craft, 100-110; Hodapp, Deciphering,,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30; O’Connell and Airey, Signs & Symbols,146-147, 206 .


[11] Lewis Spence, The Encyclopedia of the Occult (London: Bracken Books, 1988), 9-13; Hammer, Observing the Craft, 100-110; Hodapp, Deciphering,,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30; O’Connell and Airey, Signs & Symbols,146-147, 206


[12] Lewis Spence, The Encyclopedia of the Occult (London: Bracken Books, 1988), 9-13; Hammer, Observing the Craft, 100-110; Hodapp, Deciphering,,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30; O’Connell and Airey, Signs & Symbols,146-147, 206


[13] Manual de Aaprendiz Macom Segundo o Ssistema do Rito Brasilero. (Brasilia: Grande Oriente do Brasil, 1986) ; Hodapp, Deciphering,,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Hammer, Observingthe Craft, 100-110; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30.


[14] M. O’Connell and R. Airey, Signs & Symbols,144-147, 206 ,227-233, 240-244; Hodapp, Deciphering,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Hammer, Observing the Craft, 100-110; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30 .


[15] Gamberini, Codice Massonico,16-65; Hodapp, Deciphering,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Hammer, Observingthe Craft, 100-110; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30; O’Connell and Airey, Signs & Symbols, 92-95, 234 .


[16] Gamberini, Codice Massonico,16-65; Hodapp, Deciphering,72-73; Beresniak, Symbols of Freemasonry, 22-25; Porter, Secret Psychology, 128-170; Hammer, Observing the Craft, 100-110; Beresniak, Les Symboles de Francs-Macons, 24-30; ‘Chamber of Reflection,’ Coil’s Masonic Encyclopedia (Richmond: Macoy, 1995),127; ‘Chamber of Reflection,’ Albert G. Mackey, An Encyclopedia of Freemasonry, ed., rev. and enl. By Robert L. Clegg, 2 vols (Chicago: Masonic History, 1929), 1 190; ‘Chamber of Reflection,’ Robert Macoy, A Dictionary of Freemasonry(New York: Gramercy Books, 1989), 106 .


[17] Jachin and Boaz (London: W. N. Coll, 1762); Perau, M. L’abbei, L’Ordre des Francs-Macons Trahi, et Le Secret des Mopses Revele'(AAnsterdam, 1745).


[18] S. Brent Morris, The Folgers Manuscript, (Illinois: The Masonic Book Club, 1992) 179-200, xv-xxviii; Stephen Dafoe, Morgan (New Orleans: A Cornerstone Book, 2009)45-124.


[19] Dafoe, Morgan, 45-124; Morris, Folgers Manuscript, 1992.


[20] Arturo D. Hoyos & Brent Morris, Committed to the Flames (London: Lewis Masonic, 2008), 181-186, 193-195.

21 Grand Masters Decision, Grand Lodge of Colorado (Appendix H).


[22] The Laws of the Grand Lodge of Texas, A.F. & A.M. (Waco, TX: Waco Printing Co., 2011).

 

ARTIGO por: Roberto M. Sanchez


Comentários podem ser enviados para: RMSH13@outlook.com


Site: https://rmsanchez33.wordpress.com/


Facebook: www.facebook.com/truemasonicexperience


Roberto M. Sanchez é um maçom muito ativo. Ele serviu como Venerável Mestre de sua Loja Mãe - Gray Lodge No. 329 em 2011-2012, e como Delegado Distrital do Grão-Mestre da Grande Loja do Texas em 2013.


Em 2013-2014, ele atuou como Presidente da Associação de Veneraveis Mestres, Vigilantes e Secretários do 30º Distrito em Houston, Texas, além de servir como Venerável Mestre da Loja de St Albans No 1455, uma Loja de Observância Tradicional em College Station, Texas.


Ele também serviu como secretário da Grey Lodge No. 329 por muitos anos. Roberto é membro de várias Grandes Jurisdições, incluindo a Grande Loja do Estado do México, onde detém o título e a distinção de Past Grão-Mestre, além de servir como Grande Embaixador de Relações Internacionais dessa Grande Loja.


Roberto é membro do Rito Escocês de Houston, onde é 32° (K.C.C.H.) Cavaleiro Comandante da Corte de Honra; e serviu como Comandante do Conselho de Kadosh de Houston em 2014. Em 2009, 2011 e 2013 foi auxiliar do Soberano Grande Comandante, Ronald A. Seal, durante a sessão do Conselho Supremo.


Roberto também é membro do York Rite, onde atuou como presidente do Washington Chapter No. 2 R.A.M., Houston Council No. 1 R.&S.M. e Ruthven Commandery No. 2.


Como resultado, ele foi convidado para o Knight York Cross of Honor (K.Y.C.H.) Roberto também é membro da Chinar Grotto M.O.V.P.E.R. onde atuou como Monarca, o presidente em 2013, e também é um Past Grand Tall Cedar of Mexico Forest of Tall Cedars of Lebanon.


Por sua dedicação ao ofício, Roberto foi convidado para vários órgãos honorários e convidados, tais como: The Societas Rosicruciana in Civitatibus Foederatis (SRICF), onde atualmente é Celebrante do Stella Sola College no Texas e Herald do National High Council of o S.R.I.C.F. Sam Houston Council Allied Masonic Degrees No. 275, onde atuou como Soberano Mestre em 2013 e atualmente está servindo ao Grande Conselho como Superintendente do Texas-Sul. Gulf Coast York Rite College No. 106, onde atuou como governador em 2019-2020.


Capela Estrela Solitária Nº 5 Ordem Comemorativa de São Tomás de Acon, onde atuou como Digno Mestre em 2019-2021, e atualmente é o Grão-marechal Assistente da Província da América do Sul. Anson Jones Council of Knight Masons No. 47, onde atuou como Excelente Chefe em 2016.


Em 2017, ele foi premiado com o Cavaleiro Comandante de Zorobabel pelo Grande Conselho de Cavaleiros Maçons dos EUA. Ele também pertence à Ordem Real da Escócia, Sacerdote Cavaleiro Templário do Santo Arco Real, Grande Colégio de Ritos, Ordem de Athelstan, Prefeitura de Ypres do C.B.C.S. sob o Grande Priorado da Bélgica e vários outros órgãos em toda a Europa, América do Norte e do Sul.


Roberto tem dado palestras sobre Maçonaria nos Estados Unidos, América Latina, Canadá e Europa.


Por causa de seu amor pela história e pela pesquisa maçônica, Roberto ingressou na Texas Lodge of Research, onde apresentou vários trabalhos e, portanto, foi eleito membro pleno e atuou como Junior Warden.


Roberto atuou no Conselho de Administração da Masonic Building Association of Holland Lodge No 1. Ele também é o curador original, historiador e bibliotecário do Houston Masonic Library Museum, além de servir no Conselho de Administração e no Comitê Executivo.


Ele é o autor do livro The True Masonic Experience, A Guide to the Ceremonial e vários outros livros.

 

Tradução para o idioma portugues: Kleber Siqueira



18 views0 comments

Recent Posts

See All